segunda-feira, 3 de junho de 2019

Coisas da vida

Por> Luana Gabriela

Resultado de imagem para Coisas da Vida
Estava lendo um dia desses um texto, não me lembro a autoria, em que falava sobre "o erro de esperar demais das pessoas".


Esse texto me deixou curiosa pela forma com que foi escrito, me parecia ser claramente um desabafo de alguém que havia acabado de se decepcionar.

Percebi também, nos comentários desse texto, que uma legião de leitores se compadeciam da mesma opinião da autora; pareciam ter se decepcionado há pouco tempo também.

Refleti mais um pouco sobre o assunto, e se eu disser que nunca criei expectativa e me magoei, estarei mentindo, mas me nego a dar o assento na primeira fileira às mágoas e ressentimentos da vida.

Fazer isso é como jogar mais lenha na fogueira e fomentar o sentimento da frustração.

Não que eu esteja ficando sem sentimentos ou coisa do tipo, mas cheguei a uma conclusão que nem todas as perguntas da vida terão respostas de prontidão.

Pois bem. Voltando ao texto lido, finalizei aquela linha de raciocínio aceitando que para crescer a gente precisa aprender.

Aprender que os amores vem e vão, que criar expectativas vai doer, que chorar faz parte e que quando cair, terá que se levantar, e por último, mas não menos importante, que na vida é preciso nunca parar de sonhar!

Se permita sonhar sem medo se vai ou não se realizar, se permita se entregar sem medo de errar, se permita... se permita...

Apenas se permita!!


O Transe


Trecho do Livro O CONTO DO VIGÁRIO 



Ouve-se toques de atabaques como se estivessem próximos.
O Governo não pode fazer tudo enquanto temos uma seca no sertão. Na cidade vemos tudo alagado de cima abaixo quase juntando o rio e o mar diante de nossos olhos. Políticos prometem muito e nem sempre cumpre. Por isso de que vale essas promessas que são destinadas a coisas matérias?... Garotos tais quais vimos nestes dias disputam eleições fazendo destas brincadeiras, bagunçando o coreto da gestão anterior e depois fogem como que fossem ratos que se prolifera nos bueiros desta cidade. Devemos pensar nas coisas da alma. Brasil. Terra Amada! O país é ótimo. Muito tranquilo, não tem terror. Entretanto, o que vemos diante de nossos olhos já nos basta.
Ela ouviu aquelas palavras proferidas por João, passando a mensagem do Frei e, com isso notou o seu modo mandrião.
  _ E não é que é João tanta coisa tu tens para contar que um dia só é pouco e por curiosidade meu velho, eu vou querer saber como viesse parar por essas bandas, coisa que não me contasse desde então. É certo que existe essa história dessa visita à cidade, e como sempre ele vai querer fazer sua procissão do jeito que o mesmo gosta. O que vai ter de gente esperando não vai ser mole. O pior é que Dona Marisa mandou arrumar toda igreja e vai ser um trabalho danado.
    Quando ela falou isto mais medonho João ficou. No entanto ele não se acovardou como de costume, e falou de imediato:
_ Maria, deixe isto para depois. Eu , só sei que se o Frei, estivesse dentre nós e soubesse onde estou neste exato momento não tenha dúvida que ele certamente gostaria de me ver. Logo quando estou num bem bom. Olha, Maria a gente não pode ficar aqui desse jeito. Estou que nem cachorro indo nos matos nesse vai e vem para lá, para cá, como se estivesse doido para cagar.  
Ela não demorou olhou fixamente para ele com aquele olhar de quem quer mais, mas não conseguiu tirar proveito naquele momento. 
 _ E por quê? Me diga!

sábado, 1 de junho de 2019

DIZEM QUE CHORAR ALIVIA Luana Gabriela


 
Quando estamos fragilizados sempre tem um pra nos dizer, "Chore, chorar alivia."
Pode até aliviar a fragilidade, mas não cura o motivo que fez a lágrima vir à tona.
O choro às vezes é de emoção e como vou aceitar tal colocação?!
Quero mais é que minhas lágrimas caiam pela emoção gerada pela felicidade!
Não quero alivio pra minha alegria!

Mas infelizmente nem sempre é assim, o choro é acionado muitas vezes pela tristeza, decepção, pela saudade, pela falta do perdão, ou pela comoção que sentimos pelo próximo.
Se fosse tão fácil assim, diríamos para um bebê faminto, "Chore, chorar alivia".
Não! Chorar não alivia! Não alivia a fome, não alivia o peso da decepção, não alivia a saudade, não alivia a dor no corpo, não alivia o cansaço...
O choro é a última instância para quem não aguenta mais carregar algum fardo pesado, por isso repito, que chorar não alivia, o fardo terá o mesmo peso e tamanho, ele não pesará menos por ter rolado algumas lágrimas em nosso rosto.
O que alivia de verdade, é a resolução dos fatos, é encarar a realidade, é a honestidade, é o perdão, é um abraço, é saber que temos alguém para dar as mãos, é o valor da união, é um sorriso sem nenhuma intenção.
Mas se para você o choro alivia, então chore, chore sozinha ou em público, chore... apenas chore.
Afinal, sempre dizem que o choro alivia não é?!